A Missão de “Ser Mãe”

Ouvi uma vez que os melhores papos acontecem na cozinha.

Valdir Stuernagel diz que, para as visitas importantes, abrimos a porta da sala, tiramos o pó dos móveis, arrumamos tudo para aquela visita formal. Mas os amigos de verdade, aqueles com quem compartilhamos alegrias e tristezas, esses entram pela porta da cozinha. Sentam conosco à mesa e dividem o pão.

Essa coluna vai ser mais um papo desses, de cozinha. Tenho pouca experiência na área. Não tenho formação teológica, nem superior para estar redigindo textos; sou mãe apenas há 5 anos. Mas as experiências que aqui compartilharei são de alguém que busca entender a missão de ser mãe à luz da Palavra e criar filhos que amem ao Senhor e à Missão que Ele os deixou.

Um dia desses andei tirando umas folgas na minha rotina diária. Saí e fui ao cinema, passear sozinha, sem ter que ficar correndo atrás das crianças ou fazendo “shhh” durante a sessão.

Quem é mãe sabe… a tarefa é árdua e tem vezes que a gente se pega desejando ter mais tempo para nós mesmas, afinal, ser mãe é uma atividade em tempo integral.

Neste dia de folga, estava no cinema curtindo meu descanso merecido quando me bateu a maior crise de consciência…. “mas eu escolhi ser mãe, por que estou fugindo das crianças? Por que espero ansiosamente o momento em que eles vão pra cama pra poder curtir algumas horas de sossego?”

Não me culpo em ter esse sentimento, ele é apenas um reflexo do meu cansaço físico, mas à partir daí, comecei a refletir sobre o papel de ser uma mãe cristã nessa sociedade caótica em que vivemos. Me lembrei do texto de Deuteronômio 6:

6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;

7 E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.

8 Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos.

9 E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas.

Ao me lembrar destas palavras, descansei. Não estava errada em sentir essas coisas: ser mãe dá um trabalhão mesmo. É um constante caminhar, ensinando e disciplinando nossos filhos; mostrando o caminho que devem seguir; corrigindo quando errarem; tendo paciência para explicar tudo de novo, para caminhar a segunda milha, para amar incondicionalmente.

Infelizmente, não é isso que eu tenho visto nas mulheres da minha geração.

Está cada vez mais difícil encontrar mães que cumpram as palavras de Deuteronômio. Elas estão preferindo delegar o ensino dos seus filhos aos parentes, às babás, à televisão, às escolas e até mesmo à igreja.

Fico pensando porque algumas pessoas resolvem ter filhos se eles não são a real prioridade de suas vidas. A carreira, a vida pessoal e até mesmo o ministério estão sempre na frente.

Inconscientemente culpadas, essas mães enchem seus filhos de mimos quando na verdade tudo o que eles querem é um pouco de amor e atenção.

Tempo de qualidade não é o suficiente pras crianças. É preciso quantidade também. Estar dia-a-dia, a cada minuto, caminhando com eles.

Ser mãe cristã exige um comprometimento com a Palavra, muito joelho no chão e dedicação incondicional aos filhos e à família. E isso, infelizmente está saindo de moda.

Anúncios

Tags:

Categorias: Coluna Semanal

Receba atualizações

Cadastre-se em nossas redes e receba atualizações

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: